201608.26

As praias brasileiras sempre exerceram fascínio fantástico nacional e internacionalmente. Sua beleza conjugada com a beleza mestiça dos diversos povos que aqui encontraram-se e vieram a conviver das mais diversas maneiras criaram um mosaico de cores e de beleza que dificilmente podem ser encontradas em outras partes do planeta. Devido a esse clima pessoas e práticas diferentes vieram a prosperar de forma que é difícil saber diferenciar o que de fato nasceu em terras brasileiras e o que veio das paragens estrangeiras e que veio a se adaptar bem por aqui. A prática do surf é uma dessas atividades, principalmente em Maresias.

 Unidos pelo mar

A origem do surfe é creditada não a um, mas a dois povos: peruanos e polinésios. Deslizar sobre as ondas é algo que há muito tempo já era conhecido pelos polinésios, que habitaram grande parte das ilhas do Oceano Pacífico além do litoral pacífico das Américas. Rezam as lendas do surfe que sua introdução se deu no Havaí pelo rei polinésio Tahíto. Outras narrativas indiciam que muito antes dos havaianos, os ancestrais povos peruanos já faziam uso de um tipo de canoa feita de junco para deslizar sobre as ondas. Já o primeiro relato europeu desse esporte foi feito pelo navegador Inglês James Cook que veio apreciar as possibilidades de relaxamento que este proporcionava.

As pranchas eram confeccionadas pelos próprios praticantes que acreditavam conferir a elas s energias positivas, e que no ato de surfar as mesmas pranchas poderiam libertá-los das negativas. Esses homens e mulheres compreendiam que sua prática era uma forma de cultuar o espírito do mar.

Mundial local

Mas o reconhecimento como esporte, de fato, só veio em 1912 com o havaiano Duke Paoa Kahanamoku, campeão olímpico de natação. Ao ganhar a medalha de oro em Estocolmo ele revelou que parte de seu treinamento consistia em “cavalgar sobre as ondas com uma tábua de madeira”, comentário feliz que veio a atrais quantidades massivas de praticantes. No Brasil o surf tem sua ascensão em 1938 com os paulistas Osmar Gonçalves, João Roberto e Júlio Putz. Posteriormente em 1952 surfistas cariocas passaram a ser comuns nas ondas de Copacabana, ampliando, ainda mais a adesão ao desporto.


Maresias é mundialmente reconhecida por suas empolgantes ondas, prova disso é que várias competições de surf ali acontecem: um dos locais preferidos pelos surfistas é o Canto do Moreira, ao sul da praia.

Tanto isso é verdade que o Maresia Paulista de Surf Profissional, o maior circuito regional do Brasil mais uma vez ocorrerá em 27 e 28 de agosto, depois da primeira etapa em 07 e 08 de maio, para finalmente terminar em Ubatuba em 08 e 09 de outubro.  A cada etapa é destinada uma premiação no valor de R$ 30 mil, sendo R$ 8 mil o para o vencedor do circuito, quase R$ 100 mil ao todo.

Convém lembrar que esse não é o único esporte de praia a ser praticado em Maresias. Bodyboard, skate, futevôlei, frescobol, voleibol, Jet Sky também o são.

Maresias é um recanto onde a beleza da praia e de sua população representam o máximo almejado pelo ideal que o brasileiro faz de si mesmo. Relaxamento, esporte e a busca da saúde além do sedentarismo aguardam àqueles que desejam se aventurar por essas praias. E mesmo se você for apenas um espectador e fã do surf, venha e divirta-se.

Afinal equilíbrio está em sabe fazer, mas também em saber apreciar.