201602.11

Existe a ideia na cabeça de muitos turistas que o litoral norte paulista, região costeira badalada localizada no Vale do Paraíba, só tem praias. Claro, são praias magníficas, capazes de tirar a atenção e os holofotes de qualquer outra atração. No entanto, você sabia que muitas cidades litorâneas datam do século XVII, tendo sido fundadas por portugueses ainda na época do Brasil colonial?

Pois é, são cidades repletas de História, um passado tão magnético e rico quanto as paisagens naturais deslumbrantes que se formam em sua orla. Ali, não à toa, há igrejas, museus e um patrimônio edificado pelo homem que valem a visita, pelo menos entre um mergulho e outro no mar.

Se seu destino for Maresias, o famoso point de surfe e uma das praias mais conceituadas do Brasil, esse “passeio histórico” ganha ainda mais destaque. Isso porque ela fica na cidade de São Sebastião, que é a mais antiga do litoral norte paulista. Ela foi fundada em 1636 por portugueses vindos da Vila de Santos (a vila que deu origem a Santos), criada em 1546. Eles estavam à procura de terras para a produção de cana-de-açúcar, bem no auge do ciclo da cana do Brasil colonial.

A cidade de São Sebastião tem esse nome em homenagem ao santo católico homônimo. Isso porque foi no dia de São Sebastião que o explorador e navegador Américo Vespúcio atingiu, em 1502, a região, expedição essa que terminou no Rio de Janeiro, cidade cujo santo-patrono também é São Sebastião. Ainda que o município de São Sebastião tenha crescido em torno da vila portuguesa seiscentista, historiadores afirmam que a região já era habitada, muito antes, por índios tupinambás e tupiniquins.

O que curtir no centrinho histórico

Casa Esperança

Casa Esperança: um dos principais pontos turísticos do centro de São Sebastião.

Igreja da Matriz: onde São Sebastião começou.

Igreja da Matriz: onde São Sebastião começou.

É por causa dessa trajetória, um banquete para os amantes da História colonial do Brasil, que é imprescindível conhecer o centrinho histórico de São Sebastião. Ele fica a 25 quilômetros de Maresias, bastando pegar a BR-101 sentido norte. Ali, ruazinhas e avenidas ostentam edifícios datados dos séculos XVII e XVIII, todos coloridos e bem próximos uns dos outros. Basta uma hora de passeio para conhecer cada belíssimo patrimônio, que é feito de pedra e argamassa de areia, tal como o centro histórico das principais cidades litorâneas de São Paulo e do Rio de Janeiro.

O início do tour deve ser onde toda a vila começou: trata-se da Igreja da Matriz, que já passou por várias reformas e atualmente ostenta uma arquitetura de 1819. De forte influência jesuítica, a igreja é muito agradável e sua fachada amarela rende muitos cliques. Sua pracinha, logo à frente do portão principal, é o lugar perfeito para quem quer conferir de perto o ritmo dos moradores locais, que deixam a cidade, de pouco mais de 80 mil habitantes, com jeitão de interior.

Casa de Câmara e Cadeia

Casa de Câmara e Cadeia: símbolo da História política de São Sebastião.

Depois, siga para a Casa de Câmara e Cadeia, um prédio setecentista que simboliza a administração local nos tempos do Brasil colônia. Sua escadaria, suas janelas milimetricamente construídas, sua fachada com tons de branco e azul e o aspecto de palácio litorâneo tornam o local um must go do centro histórico, juntamente com o pelourinho, situado bem em frente.

O ápice do passeio está na setecentista Casa Esperança, considerada o edifício mais nobre do centrinho. Tombada pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), a casa se destaca pela varanda de metal, toda ornamentada e que se assemelha à dos mais majestosos casarões coloniais do Brasil. Dali, o turista pode contemplar o centro do alto e tirar muitas fotos. O interior do casarão, bem preservado, conta ainda com pinturas originais e feiras de artesanato, onde os visitantes podem comprar alguma lembrança ou algum suvenir típico de São Sebastião para presentear os amigos e parentes.

E, no final, o passeio chega até a Capela de São Gonçalo, onde há o Museu de Arte Sacra de São Sebastião. Construída por religiosos carmelitas e franciscanos e tombada pelo CONDEPHAAT (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico de São Paulo), a capelinha, de fachada alaranjada e graciosa, é um lugar imperdível para quem adora locais sagrados, que transbordam fé e paz. Peças, relíquias, tesouros e acessórios de devoção católico estão expostos ali, em sua estrutura delicada e meiga que é uma das mais fantásticas do litoral norte paulista.

Por isso, se você está pensando em viajar para Maresias, deixe as roupas de banho uma vez que seja de lado e pegue o carro rumo ao centro de São Sebastião, uma cidade com uma História que merece ser conferida por qualquer turista. Até mesmo pelos apaixonados incondicionais por praia.